segunda-feira, 24 de março de 2008

O Teatro exige mas estou muito feliz


Estou muito feliz por estar nesse grupo,quando entrei estava meio assustada, porque sabia que o teatro iria exigir muito de mim.É um trabalho árduo e muito cansativo, mas vale a pena quando fazemos algo que realmente gostamos e quando estamos fazendo um trabalho do lado de pessoas maravilhosas é espetácular.Sei que as vezes o mar não vai estar pra peixe,mas quando estiver assim ainda vou insistir, porque sei que sempre vou poder contar com essas pessoas quando o meu personagem não estiver legal,sei que eles vão falar quando não estiver bom para eu aprender mais e mais.E foi isso que mais me encantou quando entrei nesse grupo,eu vi que eu tenho muito pra aprender e sei que eles vão estar lá pra me ensinar.A vida é assim feita de aprendizado de troca de união.Estamos nos unindo para montar um espetáculo maravilhoso, tem dado muito certo nos ensaios talvez porque brincamos de levar a sério e levamos muito a sério a brincadeira.E assim estamos reconstruindo algumas cenas de brinquedo de montar brinquedo,brincando e trabalhando muito.Aí galera merda pra todos nós do grupo.

2 comentários:

Lola Brígida disse...

"brincamos de levar a sério e levamos muito a sério a brincadeira"

Ah, menina, saiba que eu tenho aprendido muito com vocês dois e aposto que os demais compartilham da mesma opinião. Eu estou apaixonada pelo casal maravilha e por essa sede e fome de palco e de vida que vocês têm sem medida. Merda pra nós!

Alan Livan Bandalheira disse...

Que maluquice esta vida. Um dia a gente vai dar umas oficinas em um lugar que nenhum de nós conhecia. E lá conhecemos dois malucos incríveis. Daqueles que a gente para e se pergunta, mas porque esses dois não estão no nosso grupo? E um dia eles mostram uma peça de teatro que escreveram, em uma leitura improvisada, cantando e tocando violão. E a pergunta volta mais forte, já transmutada em afirmação: esses dois têm que estar no nosso grupo.
Lembro da conversa em uma praça perto do mesmo Centro Cultural onde os conhecemos. O convite para eles integrarem a trupe.
Agora isso é uma realidade boa, na luta por outras ainda melhores.
É isso aí, muita merda pra nós da Dona Bandalha!
PS: Belíssimo este seu texto Jeniffer.