segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

2008 vai ser foda! ( no melhor sentido da coisa!)


Pois é galera! É mais ou menos como a Thais falou aí. 2007 está chegando ao fim. Quem comeu comeu, quem não comeu torce pra comer o ano que vem. Que está chegando novinho em folha pra gente esculhambar ele todinho!
E a Dona Bandalha vai botar pra quebrar. Esse ano não vai ter pra ninguém. Vamos matar o Bill finalmente e ainda mostrar o pau, ops, pau não, mostrar a margarida, que Dona Bandalha é mocinha.
Felicidade pra todos os hermanos e hermanas da Dona Bandalha!

KILL BILL!
Hoje é o canto do cisne de 2007.

Vamos cantar, brindar, quebrar as canecas de chopp na taverna e dançar cumbia como Fernando nos ensinou (que agora deve estar numa putaria com Mickey e Pateta).

2007 foi bom mas 2008 promete ainda mais.

Desejamos a todos os bandalhas unidos da nação que esse ano bissexto que se anuncia venha com 366 dias de copos cheios, dinheiro no bolso, viagens alucinadas, beijo na boca e fio terra.

Como diria o Marcelo, um abraço quebra-costela pra todos!

Até 2008!!!

Saravá!

Olha a gente tentando pular as 7 ondinhas...

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

O Paradoxo da Espera do Ônibus

A filosofia cotidiana em sua plenitude.
Quem ainda não assistiu não perca a oportunidade. Eu mesmo já vi algumas vezes.
Participante da 12ªMostra de Cinema Universitário Brasileiro.Exemplar das séries: "desenho desanimados" e "Filmes Cíclicos". Os malucos responsáveis pela obra são: Direção, Roteiro e Montagem:
CHRISTIAN CASELLI.
Desenhos:
Gabriel Renner.
Produção Executiva:
Guilherme Whitaker.
Elenco:
CHICO SERRA.
Contatos: Christian Caselli
chriskzl@gmail.com


Raridades! Que delícia que é a internet!



Estão surgindo blogs muito legais com raridades musicais para serem baixadas.Uma galera gente boa que está convertendo discos em, vinil para o formato MP3. Um desses blogs é o !http://criaturadesebo.blogspot.com/
organizado pelo Nelson Galvão, também conhecido pela alcunha de Cabelo. O blog é de responsa mesmo. Só coisa fina, raridades, com reprodução das capas e encartes e textos explicativos caprichados de quem conhece sobre o que está escrevendo. Cada vez que eu entro lá fico besta, como0 se pudesse entrar em um sebo e pegar o que quiser!Façam o mesmo!

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Repeteco



Eu tenho muitos vícios. Café, por exemplo. E Squirrel Nut Zippers. Indiscutivelmente a melhor trilha sonora de desenhos animados.

O horror, o horror

Dizem que o pai dele estava nessa foto.

Atenção, alerta geral: ele voltou.

Sim, a besta humana, a promessa de encarnação do mal, o capeta, coisa ruim, ele: Masimo Trofisi.

Mais covarde, mais escroto, mais parasita. E torrando toda mesada em cavalos.

Mais?

http://masimotrofisi.zip.net/

Xinguem. E cuspam com palavras. Um dia descobriremos a identidade verdadeira do fela. Garantimos que não sobrará um fio de cabelo desse puto quando chegar esse dia glorioso.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Dançando e ofendendo

Uma das cenas mais memoráveis de dança já feitas. Pra quem não viu, fica a dica de Pequena Miss Sunshine pra alugar ou baixar na internet.

uma dancinha

O Pânico fez um número com suas paniquetes e não foi tão divertido.

Marmanjos, meninos de mãos calejadas, a viagem de vocês pelo metrô nunca mais será a mesma:

Cachorrinho bonitinho


Cachorrinho... Rexxx! Cachorrinho bonitinho, vem aqui vem!!
AU!AU!AU!
Isso... Assim mesmo, eu não mordo, vem.
( som de carinho em um cachorrinho bonitinho)
RRRR...RRRR...RRRRRRRRRRRR
Não!!! Para, socorro, ai, ou, devolve meu pé, RRRRRRR, Arrrg, alguém me ajuda, RRRRR, CROC CROC, minha mão não, mããããããe, socorro. RRRRRRRRR. AAAAAI! Minha barriga, meu intestino, ahhhh, um dos meus rins, pra quê? RRRRRR
(silêncio)... AU!AU!AU!
Novemente um cachorrinho bonitinho, com a língua ensaguentada, todo sorridente.
Mas eu mordo!
Quem disse que os bateristas não escrevem. Achei no meio dos papéis aqui de casa este texto do Guilherme Moraes, o Guizo, nosso baterista, feito em uma de nossas oficinas.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Viva o Circo!

Sabe Play Center ou Hopi Hari? Final do dia quando o pessoal se encontra pra ir embora e um pergunta pro outro: " que brinquedo você foi? " e todo mundo lista os brinquedos que foram, quais acharam mais legais, etc. Lembrava isso, mas a emoção era muito maior.Que circo você foi, que espetáculo você viu? Infelizmente só pude ir no domingo. Mas foi o bastante pra ter a dimensão do quanto foi lindo esse encontro de lonas, ali do lado do Shopping Center Norte. Por dois reais, assistir circo o dia inteirim. Que maravilha. Consegui ver o Stapafurdio, que une embaixo da mesma lona os Parlapatões e o Pia Fraus.




Sem palavras. Tudo fantástico. O sonho para qualquer um que adora humor como a gente da Dona Bandalha. E pude finalmente ver ao vivo o número com água dos Parlapas, já visto em fotos e vídeo antes.



Depois o pessoal do Jogando no quintal. Outro puta espetáculo. Brincando com o improviso, com o humor construído com o corpo e com a palavra em uma mesma sintonia.Um jogo de futebol jogado com o teatro Acabei morrendo com trintão no DVD mas valeu a pena!


Única bola fora foi dada pelo grupo Picadeiro Aéreo que cancelou sua apresentação na última hora pra gravar no Faustão. Pfff.
Uma coisa muito importante está se consolidando com estes grupos todos unindo forças e levando circo, teatro e música para tantas pessoas assim. Algo saudável e bonito de se ver e que vai na contramão dessa babaquice que tenta mandar no mundo do entretenimento. Como disse o palhaço feito por Raul Barreto dos Parlapatões, "pelo ingresso para uma pessoa no Circo Soleil vocês compram quinze fileiras aqui". Arte da melhor qualidade acessível para o povo. Isso galera, é coisa pra caramba!

domingo, 9 de dezembro de 2007

Amanhã tem marmelada!

Tem sim senhor!
Isso se o povo do Dona Bandalha não comer tudo antes.

Bando de estômago de avestruz.

Amanhã é dia do Palhaço (10/12).

Para todos os sem-cerimônia, bandalhas e aos que riem da própria desgraça, os nossos parabéns.

E o nosso meigo e terno abraço por trás.

Isso é um site de humor? Bom, e daí?


“Melancolia é menina safada. Te engana. Fingindo ser imatura, quase criança. Fica ali, te olhando de longe num canto afastado enquanto você bebe com os amigos. Rindo e ela ali, te olhando e tomando guaraná. Molecada não pode se juntar, um mais afoito já saca um bãns. Forma-se a roda, o cigarro sendo passado de mão em mão e ela olhando tudo de longe. Figura de fundo, quase como a TV ligada em um canal qualquer. Conversa vai, conversa vem, o tempo passa, a rapaziada decide ir embora. Você desliga a TV e fica quase sozinho na sala. Só você e ela do outro lado. Continua te olhando e até arrisca um sorriso. Tarde demais para sacar que aquela figura não era tão menina assim, pelo contrário. Possui a maturidade das eras e vai passar o resto da noite contigo...”.

sábado, 8 de dezembro de 2007

Subiu pra cabeça?

Subiu pra cabeça da menina? Ou uma armaçãozinha pra fazer gracinha? Mea culpa com a pirataria que ajudou tanto a promover o filme?
Tirem suas conclusões. Neto do Tropa de elite barbarizando um camelô.

Por falar em bandas... Eminência parda

Sem querer descobri uma banda pra lá de legal na internet. Eminência Parda. Jussaramar (aquela que teve um filho tão lindo, tão lindo que deu origem a uma música que a gente nunca mais cantou...) disse que me mostrou esses caras e que eu disse que era muito regional e nem quis ouvir. Háhá.Deus me perdoe por ser tão cabeçudo!.Eles estão mandando ver em um show e um CD com clássicos dos anos 70. No vídeo "Vou botar meu bloco na rua" do mestre Sérgio Sampaio em uma versão duca!

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Squirrel nut zippers e Karnak

Então tá, falemos de bandas de grande porte, com sopros e sons alucinados.

Felizmente o resultado nunca é o mesmo.

***

Depois de uma viagem pros lados de Sarajevo, a próxima parada é a versão do inferno segundo
o Squirrel nut zippers.



Caso queiram um destino não tão distante mas quente do mesmo jeito, fiquem com o Karnak. A banda de André Abujamra voltou esse ano e nós pudemos ver um pouco da performance dos caras ao vivo na Virada Cultural. Ganha um cigarrinho de chocolate quem responder essa: se o Móveis Coloniais é uma feijoada búlgara, o Karnak é o que, meus meninos?


No Smoking Orchestra

Como disse Alan no post abaixo, os bandalhas estão de férias e ansiosos para as festas de fim de ano. Papai Noel que nos aguarde. Só restarão os ossos do bom velhinho como aperitivo para os cães.

Mas todos estão convidados a brincarem no nosso playground que é este humilde brógue. Afinal, brógue não é trabalho. Trabalho é para os fortes. E nós, ai ai, somos fracos, fraquíssimos.

Como o protagonista de Black Cat White Cat, filme de um porra louca chamado Emir Kusturica. Não satisfeito em ser apenas cineasta, o cara também faz parte da No Smoking Orchestra, uma banda com músicos enoluquecidos (dizem que a performance do vocalista é arrasadora) e faz miséria com qualquer instrumento e referências musicais. O clipe Pitbull é parte da trilha que o No Smoking fez para o referido filme.

domingo, 2 de dezembro de 2007

Fotos, fotos e mais fotos!


Registro das oficinas no CCJ e outros momentos Bandalhas. Onde? Lá no fotolog.
http://donabandalha.nafoto.net/

Churrasco de fim de ano!


Como toda boa empresa que se preze fizemos nosso churrasco de fim de ano.
Os Bandalhas presentes, os agregados, respectivos e afins. Coisa bonita de se ver. Com muita carne, muita cerveja e uma cachacinha da boa.
Agora a empresa dos filhos da Dona Bandalha podem entrar em férias sossegadamente. Ano que vem tem muito mais. Mas esse blog não entrará em férias não. Pelo contrário. Vamos colocar muito material sobre humor, contar nossas aventuras, estapearmos uns aos outros virtualmente, essas coisas. Continuem nos visitando que estaremos a todo vapor.
Caramba, não fiquei com ressaca, que milagre...
Alguém aí ficou?

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Acabou-se o que era doce. Quem comeu lambuzou-se


A Dona Bandalha ocupou com muito humor, teatro e música o Centro Cultural da Juventude no mês de novembro todim. Foram cinco oficinas, dois dias de show e ainda apresentação de dois filmes. Loucura total. Lá na Vila Nova Cachoerinha. O saldo final? Não poderia ser melhor. Conhecemos uma galera maravilhosa, a começar pelos funcionários do próprio CCJ ( Ivânia, Leandro,Gláucia, Geraldo, sicrano e fulano, valeu!!!!!). E o pessoal que foi ver as apresentações e participar das oficinas! Realmente fizemos boas amizades e arrumamos parceiros ( ou comparsas) para os nossos futuros planos de dominação e transformação do mundo em algo mais divertido. Agora só no ano que vem. Fiquem atentos, pois a Dona Bandalha promete aprontar muito mais!
PS: Vamos colocar as fotos, os vídeos e escrever as histórias que vivemos nesses dias com mais detalhes nos nossos endereços virtuais. Esse aqui é só um bilhetim.

sábado, 24 de novembro de 2007

Nova geração bandalha?


Existe uma nova geração bandalha. Que promete superar os seus "mestres" tortos, saravá.


Gabriel, filho de Alessandra, a nossa figurinista e cenógrafa oficial, faz mais um ano. Não sei se poderei aparecer por lá e exercitar um dos meus pecados capitais preferidos que é a gula (festa de criança é sempre uma maravilha gastronômica e conhecendo a família Araujo como eu conheço dá-lhe Engov e sal de fruta depois).


Pois é, Gabriel, você e o Nicolau formam uma dupla do inferno. Continue assim, moleque.


Até mesmo porque esse mundo anda chato pra c...


Mas sempre existem vagas para quem ri dos próprios capotes e tem um espírito peso-pena disposto a passear por ai.


***

Tudo em um post só por pura preguiça...

Ontem: o sarau foi aquela coisa toda. Os meninos arrasaram. Depois, todos nós arrasamos a mesa do cocktail. Falta de compostura? Falta comida em casa? Imagine!

Hoje: Uma viagem sobre a história do humor no CCJ. Com Thaís e Alanildo. Começa às 15h00.




Amanhã: despedida nossa no CCJ com Feios Sujos e Malvados do Ettore Scola, às 17h. Em seguida a exibição do filme, bate papo com Laura, estudante de Audiovisual da USP.

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Atenção: últimos capítulos de Bandalha no CCJ


A bandalha fica por conta de quem participou das oficinas. Uma inversão de papéis: estaremos no CCJ dessa vez como espectadores orgulhosos dos seus "alunos", que pintaram e bordaram nesse mês de ocupação. Aproveitem que são os nossos últimos dias por lá.


É satisfação garantida ou seu dinheiro de volta. Dinheiro? Como assim? O sarau é de graça!


Sarau do CCJ

23/11

a partir das 19h - no espaço da biblioteca

Av. Deputado Emílio Carlos, 3641 (próximo ao Terminal Cachoeirinha)

domingo, 18 de novembro de 2007

Cinema & Humor


Como não somos experts na arte de fazer humor, tivemos de contar com a ajuda de quem entende do assunto. Hoje, Mario Monicelli, Claudia Cardinale, Vitorio Gassman, Mastroianni e Totó estarão presentes no Centro Cultural da Juventude. Não, não é mesa branca. Trata-se da exibição do filme "Os Eternos Desconhecidos", uma pérola do cinema italiano.


Em seguida, bate papo com a não menos bem humorada Laura Carvalho Hércules, estudante de Audiovisual da USP.


Eternos Desconhecidos

Dir. Mario Monicelli
Elenco: Totó, Vittorio Gassman, Marcello Mastroianni, Renato Salvatori
Dia: 18 de novembro (domingo)
Horário: 17h
Entrada franca

O Centro Cultural da Juventude fica na Av. Dep. Emilio Carlos, 3641 - Vila Nova Cachoeirinha

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

É hoje!

Proclamação da República que nada. Hoje é dia de Dona Bandalha. E os próximos também.

Workshop "Olhares sobre a Cidade"

A partir de exemplos de intervenções artísticas e happenings realizados por artistas e coletivos brasileiros a partir dos anos 70 até a atualidade, este workshop dará uma breve noção dos conceitos de happening, intervenção e performance modalidades presentes na arte contemporânea e pretende que os inscritos realizem, ao final, uma proposta que tenha como mote o espaço do CCJ ou do bairro, como maneira de buscar um diálogo ou atribuir novos significados ao local escolhido.

15 e 22/11
15h
Coordenação: Thaís

"Uma Viagem pela História do Humor"

A partir de textos, imagens e material audiovisual os participantes dessa oficina conhecerão alguns momentos da história do humor. Uma viagem por vários momentos da história do humor como comédias da Antiguidade Clássica, Commedia Dell’Arte, o circo. O riso no cinema, na televisão até chegar ao humor na Internet.

17 e 24/11
15h
Coordenação: Thaís e Alan

Cinema & Humor

Focados na questão do humor, todos os filmes serão seguidos de debates com integrantes do grupo e convidada Laura Carvalho Hércules (estudante de audiovisual – USP).

Os Eternos Desconhecidos
Dir. Mario Monicelli
Elenco: Totó, Vittorio Gassman, Marcello Mastroianni, Renato Salvatori
Dia: 18 de novembro (domingo)Horário: 17h

Feios, Sujos e Malvados
Elenco: Nino Manfredi, Francesco Anniballi, Giselda Castrini
Dias: 25 de novembro (domingo)Horário: 17h

O CCJ fica na Av. Deputado Emílio Carlos, 3641 - Vila Nova Cachoeirinha
http://ccjuve.prefeitura.sp.gov.br/

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Coisa Interior

O que seria da Dona Bandalha se não fossem os amiguinhos que sempre dão um copo de açúcar pra terminar a receita do bolo...

Um beijo enorme pra Fabi Jabur, a sempre pau pra toda obra, que colocou trechos do nosso espetáculo feito no CCJ, dia 10/11. Um doce na boca daqueles que não puderam ir na nossa melhor apresentação. Pelo menos até agora.

Beijo no Asfalto no CCJ

Thriller no CCJ

(Des)Cumpleaños

Dona Bandalha é uma mãe mais ou menos desnaturada. Mas foi lá, juntou as moedinhas de R$ 0,10 e comprou um bolo Pullman delicioso para que seus rebentos ficassem felizes e não passassem o aniversário em branco. Mesmo que a data já tenha ido pras cucuias junto com o prazo de validade do bolo.

Parabéns aos bandalhas mais experientes!



Ivanovitch ou Ivan Cruz, simplesmente. Um dos nossos "babies" bandalhas que assume sua face demoníaca frente a uma guitarra.

Marcelo Correia, ator bandalha e diretor cínico. Não parece e façam o favor de não espalhar aos quatro ventos: o intérprete do Hiroto é o mais velho de todos.

***

E não esqueçam! Dona Bandalha no CCJ! Mais sujo, mais sem-vergonha e descarado.

Amanhã workshop "Olhares sobre a cidade", a partir das 15h00, com Thaís. Sábado "Uma viagem pela história do humor" a partir das 14h com Alan e Thaís. Domingueira, tempo de curtir uma comédia italiana às 14h: "Os Eternos Desconhecidos" de Mario Monicelli. O mesmo que dirigiu "O Incrível Exército de Brancaleone". O bate papo fica com Laura Carvalho Hércules, estudante porreta de Audiovisual da USP.

Pra quem ficou com saudades da nossa apresentação nos dias 09 e 10/11, ai vai a dica quente: dia 23/11 estaremos no sarau do CCJ com aquela bandalha toda. Ou melhor, mostrando o que aprontamos no projeto de ocupação com as oficinas. Compareçam!

Centro Cultural da Juventude

Av. Deputado Emilio Carlos, 3641 - Vila Nova Cachoeirinha

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Duas semanas de trabalho no CCJ. Um puta lugar bacana, com uma infra-estrutura invejável, profissionais competentes e uma puta participação da comunidade da Vila Nova Cachoeirinha. Não se assustem com a rasgação de seda. Não é ironia. Estamos bestas e felizes da vida com o nosso projeto de ocupação que continua por lá nestas próximas semanas de vento em popa.

As apresentações foram as melhores do Dona Bandalha. Tudo redondo: parte cênica e musical. Funcionou e a gente nem percebeu quando chegou no final. Assim tem que ser.


Confiram a programação para as duas últimas semanas de bandalheira no CCJ:

Workshop “Olhares sobre a cidade”
A partir de exemplos de intervenções artísticas e happenings realizados por artistas e coletivos brasileiros a partir dos anos 70 até a atualidade, este workshop dará uma breve noção dos conceitos de happening, intervenção e performance modalidades presentes na arte contemporânea e pretende que os inscritos realizem, ao final, uma proposta que tenha como mote o espaço do CCJ ou do bairro, como maneira de buscar um diálogo ou atribuir novos significados ao local escolhido.
Dias: 15 e 22 de novembro (quinta feira)
Horário: 15h
Duração: 6 horas (divididos em dois dias de oficina)
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 30
Coordenação: Thaís Hércules

Workshop “Uma viagem pela história do humor”
A partir de textos, imagens e material audiovisual os participantes dessa oficina conhecerão alguns momentos da história do humor. Uma viagem por vários momentos da história do humor como comédias da Antiguidade Clássica, Commedia Dell’Arte, o circo. O riso no cinema, na televisão até chegar ao humor na Internet.
Dias: 17 e 24 de novembro (sábado)
Horário: 15h
Duração: 8 horas (divididos em dois dias)
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 50
Coordenação de Thais e Alan


Cinema & humor.

Focados na questão do humor, todos os filmes serão seguidos de debates com integrantes do grupo e convidada Laura Carvalho Hércules (estudante de audiovisual – USP).




Eternos desconhecidos(I soliti ignoti, Itália, 1958, P&B, 100min - suporte em DVD)
direção: Mário Monicelli
elenco: Totò, Vittorio Gassman, Marcello Mastroianni, Renato Salvatori
Bando de trambiqueiros quer executar um assalto espetacular, mas as coisas não acontecem como planejadas.Do mesmo diretor de O incrível exército de Brancaleone
Dia: 18 de novembro (domingo)
Horário: 17h



Feios, Sujos e Malvados (Brutti, Sporchi e Cattivi, 1976, colorido,115min-suporte em DVD)direção: Ettore Scola
Giacinto (Nino Manfredi em grande atuação) mora com a esposa, os dez filhos e vários parentes, num barraco de uma favela de Roma. Todos querem roubar o dinheiro que ele ganhou do seguro, por ter perdido um olho quando trabalhava. A situação fica ainda pior quando ele decide levar uma amante para dentro de casa.
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 60Duração: 3 horas (exibição do filme e debate)
Dias: 25 de novembro (domingo)
Horário: 17h


O CCJ fica na Av. Deputado Emílio Carlos, 3641 - Vila Nova Cachoeirinha


Pelo visto, mais só em 2008! Mas se alguém tiver algum convite pra bandalha se esparramar por ai no que resta desse 2007...

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

É nóis no CCJ

Dona Bandalha no CCJ
Dona Bandalha no CCJ
Dona Bandalha no CCJ

Apareçam. Já começaram as oficinas e a bandalheira toda vai até o fim do mês. E é tudo na faixa.

Dias 09 e 10/nov
20h
Apresentação do espetáculo Brinquedo de Montar Brinquedo.
Retirar ingresso com meia hora de antecedência.

Oficina “Construindo o corpo cômico"
A oficina Composição do Corpo Cômico tem o objetivo de sensibilizar o olhar do participante para alguns aspectos cômicos, como o grotesco e a caricatura, tendo como perspectiva o corpo. Procedimentos: Jogos de percepção corporal, Jogos teatrais e improvisações com roteiros cômicos.
Dias: 01 e 08/nov (quinta feira)
Horário: 15h
Duração: 8 horas (divididos em dois dias)
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 30
Coordenação: Marcelo Correia

Oficina de improvisação para um teatro Bandalha.
Jogos e improvisações utilizados na criação das cenas do espetáculo Brinquedo de montar brinquedo.
Dias: 04 e 11 de novembro (domingo)
Horário: 14h
Duração: 6 horas ( dividida em dois dias)
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 30
Coordenação Thaís Hércules e Alan Livan

Oficina de musicalização.- O humor na música e a música no humor.
Contato com obras de músicos que se utilizam de humor e de humoristas que se utilizam da música como por exemplo Noel Rosa, Baiano e os Novos Caetanos, Monty Python, Língua de Trapo e muitos outros . Fundamentos da música a partir de uma abordagem lúdica e de sons do cotidiano, sempre com vivências práticas
Dias: 04 e 11 de novembro (domingo)
Horário: 17h
Duração: 6 horas (dividida em dois dias)
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 30
Coordenação: João Paulo

Workshop “Olhares sobre a cidade”
A partir de exemplos de intervenções artísticas e happenings realizados por artistas e coletivos brasileiros a partir dos anos 70 até a atualidade, este workshop dará uma breve noção dos conceitos de happening, intervenção e performance modalidades presentes na arte contemporânea e pretende que os inscritos realizem, ao final, uma proposta que tenha como mote o espaço do CCJ ou do bairro, como maneira de buscar um diálogo ou atribuir novos significados ao local escolhido.
Dias: 15 e 22 de novembro (quinta feira)
Horário: 15h
Duração: 6 horas (divididos em dois dias de oficina)
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 30
Coordenação: Thaís Hércules

Workshop “Uma viagem pela história do humor”
A partir de textos, imagens e material audiovisual os participantes dessa oficina conhecerão alguns momentos da história do humor. Uma viagem por vários momentos da história do humor como comédias da Antiguidade Clássica, Commedia Dell’Arte, o circo. O riso no cinema, na televisão até chegar ao humor na Internet.
Dias: 17 e 24 de novembro (sábado)
Horário: 15h
Duração: 8 horas (divididos em dois dias)
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 50
Coordenação de Thais e Alan

Cinema & humor.
Focados na questão do humor, todos os filmes serão seguidos de debates com integrantes do grupo e convidada Laura Carvalho Hércules (estudante de audiovisual – USP).

Eternos desconhecidos(I soliti ignoti, Itália, 1958, P&B, 100min - suporte em DVD)
direção: Mário Monicelli
elenco: Totò, Vittorio Gassman, Marcello Mastroianni, Renato Salvatori
Bando de trambiqueiros quer executar um assalto espetacular, mas as coisas não acontecem como planejadas.Do mesmo diretor de O incrível exército de Brancaleone
Dia: 18 de novembro (domingo)
Horário: 17h

Feios, Sujos e Malvados (Brutti, Sporchi e Cattivi, 1976, colorido,115min-suporte em DVD)direção: Ettore Scola
elenco: Nino Manfredi, Francesco Anniballi, Giselda Castrini, Ettore Garofolo.
Giacinto (Nino Manfredi em grande atuação) mora com a esposa, os dez filhos e vários parentes, num barraco de uma favela de Roma. Todos querem roubar o dinheiro que ele ganhou do seguro, por ter perdido um olho quando trabalhava. A situação fica ainda pior quando ele decide levar uma amante para dentro de casa.
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 60
Duração: 3 horas (exibição do filme e debate)
Dias: 25 de novembro (domingo)
Horário: 17h

O CCJ fica na Av. Deputado Emílio Carlos, 3641 - Vila Nova Cachoeirinha
http://ccjuve.prefeitura.sp.gov.br/

Um sonho

Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.

Reverenciado por todos, morreu O Ator. Uma carreira sólida, Shakespeares e troféus na sala de estar. Mais de 50 anos de carreira. Um monstro sagrado. Dragão com enfisema pulmonar.

Seu corpo estava exposto no saguão da estação de trem. Por motivos inexplicáveis eu não sabia o sentido do velório nesse ambiente, por que as pessoas não paravam e lamentavam a perda Do Ator. Tampouco sabia o que eu fazia por ali já que não tenho o hábito de andar de trem. Talvez o grande sentido mesmo (e sonhos têm sentido?) era o de testemunhar o último grande feito Dele e aprender uma ou duas coisas sobre pausa dramática e Pato com Laranja.

Eis que, tentando fazer a sua entrada triunfal, O Ator se levanta. Em um monólogo ininteligível ele tentava conciliar as pausas dramáticas com as partes do corpo que caíam no chão. Todo o esforço era inútil e patético. Mesmo quando conseguia encaixar o nariz e dar prosseguimento ao monólogo, outro membro caía.

Não fiquei para assistir ao fim do ato. Não tinha intenção de virar A Atriz. Para alguns, um comportamento indesculpável diante do monstro sagrado. Já O Ator, do alto de seu preciosismo de interpretação pós-morte não esquecia das falas nunca. Mas um detalhe importante passou despercebido pelo Mestre. Uma hora a rubrica no texto anuncia: cai o pano.

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Bira Dantas faz uma carica da Dona Bandalha!

Caramba galera.
Quando eu vi não acreditei.Emocionante em todos os sentidos. O Bira fez uma Carica da Dona Bandalha. Esse cara é uma das grandes feras do desenho nacional. Eu lembro o quanto pirava nos desenhos dele desde moleque. Lembro de uma história que ele fez do Rambo lutando contra o Schwarzenegger. Uma puta tiração de sarro. Fiquei meses copiando aquelas caricaturas do Rambo pra tentar fazer igual. E agora ele fez uma carica nossa!
PS1: A carica está ali em cima como apresentação do nosso blog!
PS2: A única tristeza pro meu ego megalomaníaco é que eu não apareço no desenho Nem o Gui, nem a Tathoca, nem o Marcelo. Em cena estão João Paulo, Ivan Cruz e Fernando Barros.Bira faz o resto da galera! Háhá

Quem é o hombre


Só pra galera ter uma idéia de quem é o hombre!
Em 79 estagiou no Estúdio Ely Barbosa, onde foi assistente do desenhista Eduardo Vetillo e passou a desenhar para a revista Os Trapalhões. Em 82 foi contratado como chargista pelo Sindicato dos Químicos de São Paulo, desde então, publica diariamente charges em panfletos, boletins e jornais de Sindicatos e da CUT. Foi intercalador de desenho animado no Briquet Filmes (Bond Boca). Fez parte, em 85, da AQC (Associação dos Quadrinhistas e Caricaturistas de SP. Colaborou em revistas em quadrinhos (QuadrECA, Pântano, Tralha, Porrada, Megazine e Bundas). Ilustrou publicações empresariais como revistas da IBM, Rockwell Fumagalli, 3M, Lix, Caterpillar do Brasil, Eaton, e apostilas do Anglo, entre outras. Publicou charges nos jornais Retrato do Brasil (1985), Folha da Tarde de SP (1986) e Diário do Povo (1991 e 1995) de Campinas, cidade onde vive desde 1988. Atualmente é contratado pelo Sinergia SP-CUT, colabora com o Sindipetro, além dos sites www.chargeonline.com.br, www.humorbrasil.com.br, www.ccqhumor.com.br, www.casadosbonecos.com.br. Tem uma revista virtual (Bira, 20 anos de HQ) no site www.nonaarte.com.br.

E o mais legal é que apesar de toda essa história nunca andou de salto alto ou se achou o Artista como uns e outros!

terça-feira, 30 de outubro de 2007

Pois é...


Visitei a página de vocês no myspace, gostei da proposta, me lembrou os Mutantes. O myspace é um dos grande achados onde podemos achar coisas bacana (que as vezes estão por perto).

Abração
Kiko
E perdido no meio dos comentários um elogio de um cara que é muito fera! O Kiko Dinucci. A gente aproveita o ensejo pra divulgar boa música pra quem estiver lendo o nosso blog. Samba, sampa, afromacarrônico. Valeu Kiko!
Aproveitem e visitem o blog do cara, baixem suas músicas, que vale muito a pena.
http://afromacarronico.blogspot.com/

domingo, 28 de outubro de 2007

Da religiosidade brasileira


O sincretismo religioso no Brasil não tem limite. Ana Maria Braga comprova:


"Eu sou tão católica, mas tão católica que na encarnação passada eu acho que fui uma freira"

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Love me tender


Amanhã vou encontrar Alan na sua bat caverna na Jova Rural.

Elvis está vivo e mora por lá também. Vezemquando ele toma umas biritas com nosso colega e comenta o quanto eram verdes os dólares e seu jardim em Memphis. Mas que depois de muito brincar com sua coleção de revólveres e de não conseguir fazer o trajeto gorfadinha cama-privada, ele decidiu que a grama e os dólares deixaram de ser bem verdinhos.

Viu em uma reportagem na TV os confins do planeta e disse: praláquevou.

Desde então Elvis vive de imitar Elvis na Jova. Tem dado certo. Virou conselheiro espiritual de Alan Livan. Este ainda não pegou o sacolejo do cara que obrigou todo mundo a descer o olhar descaradamente para a pélvis nos anos 50. Mas Alan já aprendeu a cantar no chuveiro sem passar vergonha e os versos da música preferida da patroa no ouvido dela.

Pau que nasce torto nunca se endireita - e o nosso humorismo sem querer querendo

Desde os tempos em que Cabral pôs os pés na terra abençoada por Deus e bonita por natureza, o Brasil se tornou conhecido por alguns casos de humoristas involuntários.

Da nossa história recente, destaco o trabalho e o empenho de Carla Perez. Hoje, um tanto quanto esquecida, convertida na palavra de Cristo e batalhando para se tornar uma Xuxa em tempos que nem a Xuxa emplaca mais, a ex-dançarina do É o Tchan protagonizou uma obra-prima do humor involuntário no cinema brasileiro. A fórmula: a Gata Borralheira que vira Cinderela do subdesenvolvimento. A tragicomédia não pára por ai e segue feito um bonde desgovernado do roteiro à direção: numa brilhante interpretação, Carla fala das “campanhas demagógicas” contra o trabalho infantil e termina tudo em axé com as crianças libertas. Revolucionária a mocinha. Duas curiosidades bandalhas: Lázaro Ramos teve a felicidade de ocultar esse filme de seu currículo. A outra: “pau que nasce torto nunca se endireita” é um trecho censurado da carta que Pero Vaz escreveu e ninguém teve coragem de comentar a respeito. É um país que vai pra frente. Pelo menos para o desenvolvimento da nossa veia humorística. Ainda que involuntária.

Carlinhos, o machista gay



Portugal nos deu algumas coisas boas: Camões, Fernando Pessoa, alguns motivos pra rir dos nossos ex-colonizadores e...Carlinhos.

Esse vídeo dedico a Alan.

Eu acho digno

Terça insana virou um negócio super-ultra-mega cult. Até Cicarelli nos tempos de Ronaldo Fenômeno chegou a ir.

Mas rendeu muita coisa bacana e tinha gente boa pra cacete. O Dona Bandalha, que nunca gostou do sufoco de ficar dentro do armário, assina embaixo. Com vocês, Betina Botox!

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

O que o TOC de Roberto têm a nos dizer sobre a Música Brasileira por Giácomo Salut


Um texto do mestre Salut!
Uma Carica de Bira, outro mestre, pra ilustrar!http://www.fotolog.com/biradantas/
Alguém que vive nesse mundo que tenha o mínimo acesso a informação sabe que as tais manias de Roberto Carlos, tidas por muitos anos como sinais de uma profunda superstição, não era nada mais nada menos que sintomas de que ele sofria ( ou sofre?) de Transtorno Obsessivo Compulsivo (o TOC).
Fez-se um grande alarde em cima dessa notícia, mas nenhuma avaliação mais profunda sobre o assunto. E nesse caso isso é muito ruim, pois mais do que a doença de Roberto tal fato é uma verdadeira radiografia da música brasileira atual e mesmo da mundial. Exagero? Fantasia? Então vejamos...
Como sabemos por conta do TOC, o citado cantor e compositor tinha sua vida regida por estranhas manias, as obsessões compulsivas que compõe a tal síndrome. Manias, ou melhor, dizendo obsessões que iam desde a só sair de um lugar pela mesma porta que entrou (com exceções, justiça seja feita ao enfermo cantor, a aeroportos, visto a impossibilidade de tal empreitada) a não ter disposição para falar com pessoas vestidas de marrom. E essas obsessões definiam toda sua carreira. Sempre fazendo, de forma obsessiva compulsiva, o mesmo disco, com a mesma capa, com o mesmo tipo de música, com o mesmo azul e branco, com o mesmo especial de fim de ano e assim por diante. Sempre o mesmo, sempre o mesmo, sempre o mes...
Até agora o sagaz leitor que estiver acompanhando meu raciocínio não conseguiu ver nenhuma novidade, certo? Roberto Carlos, suas manias, bom, com perdão da expressão, a mesma carne de vaca de sempre. Mas calma que chegaremos lá. Como já entendido até agora, Roberto Carlos, por sofrer de TOC, fez as mesmas coisas em sua carreira, ano após ano. Até aí tudo bem. O problema são as milhares de pessoas que compraram o mesmo disco, com as mesmas músicas e assistiram o mesmo especial e consumiram todo o resto do sempre o mesmo de forma também obsessiva todos esses anos. Será que nenhum psiquiatra se deu conta disso? Toda uma população sofrendo de TOC. E se olharmos com mais atenção para boa parte da música brasileira, vamos perceber espantados que na verdade tudo é um TOC só. Mesmo as modinhas que vão e vem todo ano entram no rol das manias, digo Obsessões. Muitos defensores de uma música de melhor qualidade bateram por anos em teclas como interesses econômicos e políticos de certos grupos sociais, problemas estruturais na formação cultural do povo e outras fórmulas, mas não tocaram no cerne do problema. E é isso que Roberto Carlos com sua síndrome traz a tona. O problema é antes de qualquer coisa psiquiátrico. Que o Governo e instituições interessadas na saúde da nação providenciem um batalhão de médicos psiquiatras o mais rápido possível. A saúde mental e musical do Brasil agradece

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Firulas e fuleragens!

Pluf: “Tá, já entendi, é uma cilada!”.
Plein: É, de certo modo, sim.
Pluf: “Como assim, de certo modo?”.
Plein: "Pois é assim. Uma cilada só pode ser se for de certo modo”
Tchun: “Shhhhhh,vamos parar com esse barulho!”

Desenhando com o paint bruxo.



Eu, o Harvey Pekar e qualquer ser com o minímo de sanidade...

Se beber, não dirija

O absurdo não está nas peças de Ionesco.

Seria cômico se não fosse trágico. Algumas notícias do mundo real saltam na página da UOL e, entre Renan Calheiros, Julio Lancellotti, Mostra Internacional de Cinema e Rolex do Huck, aparecem uns desses fatos diversos que fariam a alegria do editor do finado Notícias Populares. A vida real é cheia de humor, ainda que involuntário e muitas vezes sombrio. Depois de um estudante que foi morto pelo colega de quarto por causa do seu chulé (!), eu me deparo com a notícia do fim da boemia entre elefantes na Índia. Feliz foi o Dumbo que encheu a lata no filme e teve delírios psicodélicos com direito a happy end.

Elefantes se embriagam, derrubam poste e morrem eletrocutados

Nova Délhi, 23 out (EFE).- Pelo menos seis elefantes asiáticos, entre eles três filhotes, morreram eletrocutados depois de se embriagarem com cerveja e baterem em cabos de alta tensão no nordeste da Índia, informou hoje uma fonte oficial.

O incidente aconteceu neste domingo, no povoado de Chandan Nukat.

Uma manada de cerca de 40 elefantes bebeu por engano a cerveja de arroz preparada pelas tribos da região de Meghalaya. Em seguida, eles começaram a correr pelos arrozais.

"Um dos elefantes tentou esfregar o lombo num poste elétrico, que não resistiu ao seu peso e caiu. O animal, então, sofreu um contato direto com o cabo de alta tensão", disse o ativista Dipu Marak, em declarações à agência indiana "Ians".

Várias testemunhas e funcionários disseram que viram o elefante, um macho adulto, retorcendo-se de dor e barrindo. O som atraiu vários outros, que sofreram o mesmo destino.

"Era patético ver a um elefante atrás do outro se electrocutando diante de nossos olhos. Morreram seis no total, inclusive três filhotes", disse um ancião do povoado, T. Sangma.

"Mais elefantes poderiam ter morrido. Mas alguns dos aldeões conseguiram afastar do cabo o resto da manada", acrescentou.

Nos últimos meses, houve vários casos de elefantes causando danos em áreas de Meghalaya e na região vizinha de Assam, especialmente nos povoados onde as tribos elaboram cerveja de arroz, disse à "Ians" o especialista Kushal Konwar Sharma.

Os elefantes embriagados se enfurecem com facilidade e destroem choças e celeiros, além de atacar os habitantes das aldeias.

O aumento de ataques contra pessoas também se deve, segundo os especialistas, ao fato de que seu habitat está cada vez mais ameaçado pelas atividades humanas.

Na região de Assam, os elefantes mataram 239 pessoas nos últimos cinco anos. No mesmo período, 265 deles morreram, a maioria vítima de atos de vingança de humanos.Assam e

Meghalaya têm cerca de 6 mil elefantes asiáticos.

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Só sacanagem! Bruna Surfistinha faz suruba com extraterrestres - fotos exclusivas




Mentira, claro. Acharam que a gente ia ter fotos desse contato imediato de primeiro grau da autora de O Doce Veneno do Escorpião (autora?) com alienígenas? Mas que isso aconteceu, aconteceu. O Jaum tem até sonhado com isso ultimamente e pensa em fazer um documentário a respeito.


Fotos exclusivas mesmo só as nossas, no CCSP, no nosso fotolog. Entrem: http://donabandalha.nafoto.net/ . Tá uma boniteza só. Trampo da Tainá, a menina prodígio.


Alguns dizem que somos alienígenas. Nós negamos veementemente, apesar das evidências. A propósito, Jaum está muito triste com a sua condição de terráqueo.

domingo, 21 de outubro de 2007

Palhaçada!


O palhaço me parou na rua. Maquiagem branca no rosto. Enorme nariz vermelho. Boca cor de rosa. Roupas largas e coloridas.Sapatos enormes. Em uma mão uma bengala. Na outra uma bexiga de ar.Na cabeça a falsa careca. Um palhaço, em todos os detalhes.
-Ei, senhor. Pode me ajudar?
Estranho quando alguém me chama de senhor... Triste ver um palhaço tão bem construído em seus mínimos detalhes pedindo esmola na calçada.
-Não quero dinheiro não. Estou precisando de outra coisa.
Parei. O que poderia querer aquele palhaço? Ali, no centro da cidade?
-Nem quero vender nada não. Nem que você me pague alguma coisa. Todo mundo que eu paro acha que é pra isso.
Não conseguia falar nada. Apenas ouvia.
-Senhor. Faz eu dar uma risada. Faz alguma palhaçada pra mim ver. Preciso tanto dar uma gargalhada.
Alguma pegadinha, tipo câmera escondida? Um doido vestido de palhaço?
Pensei em fazer alguma coisa pra ele rir. Ma pensei demais. Ele ficou me olhando por um tempo. Depois fez um muchocho e afastou-se.
-Deus te abençoe, senhor.
Deus abençoe os palhaços

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Dona Bandalha no Centro Cultural São Paulo!

Que lugar legal pra fazer uma apresentação como a nossa é o porão do Centro Cultural São Paulo. Aquela cara meio Underground como falou alguém. E lembrando bastante uma fábrica, o que tem muito a ver com nosso espetáculo.
Só fico triste de não podr ter ido beber cerveja com a galera que foi ver a apresentação. Meu dedo do pé ainda está quebrado e doía mais do que no dia que eu me acidentei. Beleza, agora é sossegar um pouquinho o facho, mas não muito que novembro está chegando!
Vamos aquecer os motores para as apresentações e oficinas no Centro Cultural de Juventude lá na Vila Nova Cachoerinha, o que será um ótimo desafio.

Agradecimentos!

Rá, apresentamos no porão do Centro Cultural São Paulo!
Nos jogamos nessa e ainda bem que não faltaram os amigos pra segurar a gente caso caíssemos da corda bamba. Na platéia e na produção.
Alessandra Araujo que está mandando ver nos figurinos e nos adereços, Camila Andrade operando e elaborando a luz, Fabi Jabur dando força em tantas coisas que fica até difícil de listar. Essas são membros honoráveis da Dona Bandalha.
E ainda a Naira Poloni e Vivi Jabur que deram um jeito de levar toda a parafernália ao Centro Cultural. Tainá Passos Chiamarelli, Marcela, Denise Raquel e mais uma vez Fabi Jabur, registrando nossas bandalhas em fotos e vídeo.
E Evil Rebouças, Eduardo e todo o pessoal do Grupo Artheumus e Bernadete e o pessoal do Grupo Órion que resolveram os pepinos de última hora que apareceram no lugar.Ufa, acho que não esqueci de ninguém...

sábado, 13 de outubro de 2007

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Eu podia tá matando! Eu podia tá roubando. Mas eu tô aqui di...

Eu podia tá roubando, tá matando mas eu tô aqui divulgando a minha pecinha de teatro, humor e música

Dona Bandalha no CCSP.
Dona Bandalha no CCSP.
Dona Bandalha no CCSP.

Quem não aparecer corre o risco de ser levado pelo João do Caixão!

Divine, Pink Flamingus e mais reflexões sobre a obra.

Dizem alguns que a postagem abaixo, sobre O Colecionador de merdas, recebeu sutil porém relevante inspiração do filme Pink Flamingus. Registro aqui uma cena do filme, para ajudar nas nossas reflexões sobreo ato, sobre a obra, sobre, bom, essa coisa que chamamos costumeiramente de cagada.
Viva Divine!Viva John Waters!

O grande colecionador involuntário de merdas

Quando eu era criança torcia para fazer o maior cocô possível. E quando isso acontecia eu sentia um certo orgulho. Agora adulto é o contrário: constranjo-me com minhas fezes e a menor dúvida sobre o sistema hidrosanitário me faz suar...mas, principalmente nas reuniões sociais em casa de outrem (porque na sua casa tudo bem, todo mundo tem o direito de cagar sossegado). Por isso, desenvolvi técnicas de contração anal (nivel 3) e de pancadas massoterápicas localizadas. Outra dica é dar uma descarga a cada projeção fecal.

Paradoxalmente, quando o privado vira público acontece a mesma coisa. Eu nunca conheci um banheiro público que valesse a pena (talvez exista um em Curitiba). O trauma que dá toda vez que empurro a portinha ou ergo a tampa (às vezes é sadio usar os pés) pode parecer frescura burguesa, mas considere que já morei 4 anos em uma pensão e já vi dos mais diversos formatos e cores que gostaria.

Mas por que se preocupar com uma coisa que ninguém dá a mínima, que todo mundo joga fora? Literalmente: uma bosta?! Obrigo-me a pensar no lado positivo deste assunto e só consegui isso: o grande colecionador involuntário de merdas! “Colecionador” é a palavra-chave da frase. “Grande” dá magnitude. E o “O” indica que não é qualquer um. “Involuntário” diz que eu não tenho culpa de ser assim.

Será que eu sumo com esse post aqui?

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Um lugar em que nada acontece e tudo pode acontecer


É isso que a atmosfera do lugar diz logo que subimos as escadas. Alguns degraus, tortura para os fumantes do grupo Marcelo, Jaum e Fe e para o temporariamente portador de necessidades especiais Alan Livan (sim, ele continua de bengala). O gosto de uma liberdade, de uma independência ainda que curta. Não sabemos como ficará a situação do Dona Bandalha e dos demais grupos que estão no prédio depois de novembro. Mas o que interessa é o agora.

Eu arrisquei uns passos de dança, do tipo dançar e ofender, na imensa sala. Sim, eu passei a entender porque os atores hollywoodianos saíam por detrás de pilastras, de dentro dos carros, dançando e cantando em uníssono. Nunca imaginei que minha vida pudesse caber em um trecho de musical. Ainda que um musical torto e sem lá muita graça de balé e passos insistentemente ensaiados. Mas talvez assim seja melhor.


segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Dia das crianças


Está chegando o dia das crianças e você ainda não sabe o que dar pro seu pimpolho?
Encontramos a solução pra você. Compre o Boneco da Tropa de Elite. O Luciano Huck já comprou pro seu filhinho. Compre você também!

TV Pirata

Um bando de atores e um diretor afiados. E, nessa época, o politicamente correto não constava nos manuais de humor.

terça-feira, 2 de outubro de 2007

É nóis no CCSP

Falta pouco.

Dia 16/10, estaremos no CCSP. Fácil de chegar, com o metrô logo ali do lado. E o melhor para a nação bandalha dos bolsos furados: de graça.

Brinquedo de Montar Brinquedo fará a abertura do Projeto Ateliê Compartilhado . Confiram a programação que tá bem bacana também.

Projeto Ateliê Compartilhado

dia 16
Lançamento da Brochura Ateliê Compartilhado
Show performático com Dona Bandalha
Espaço Cênico Ademar Guerra -
terça, às 20h - entrada franca

de 18/10 a 15/12
Minha família
(75min, 12 anos) - Tragicômico.
grupo: Núcleo Cênico Arion -
texto: Carlos Liscano -
direção: Bernadeth Alves
elenco: Gustavo Arantes, Luciano Brandão e Maíra Leme Três gerações.
Uma família vende seus filhos para conseguir manter um padrão de vida sustentável. As negociações de compra e venda são tratadas com normalidade e como única possibilidade de sobrevivência.
quintas e sábados, às 21h - R$6,00 - preço popular: 8/11 (R$1,90) - Espaço Cênico Ademar Guerra

de 19/10 a 16/12
Amada, mais conhecida como mulher e também chamada de Maria
(90min, 14 anos) - Tragicomédia.
grupo: Cia. Artehúmus de Teatro -
texto e direção: Evill Rebouças
elenco: Daniel Ortega, Edu Silva, Leonardo Musse, Roberta Ninin e Solange Moreno
Narrativa de uma mulher que teve 180 milhões de filhos. Dona de várias faces, ora ela é Maria, uma mulher comum que sente prazer/desprazer na hora do sexo, ora ela é Amada, uma pátria-mãe que se prostitui facilmente quando se depara com recursos oferecidos por estrangeiros para amenizar as desgraças de seus filhos.
sextas, às 21h e domingos, às 20h - R$15,00 - preço popular: 28/10 (R$1,90) - Espaço Cênico Ademar Guerra

Palestras:
Terças e quartas, às 20h
Espaço Cênico Ademar Guerra - entrada franca
dia 17
b a t e - p a p o
com: Bernadeth Alves, Evill Rebouças e Wagner de Miranda (encenadores do Projeto Ateliê compartilhado)
dia 23
p a l e s t r a
Possibilidades de relações entre a dramaturgia e a carga semântica de espaços não convencionais
com: Evill Rebouças Palestra e exibição de vídeos do processo de pesquisa da Cia. Artehúmus de Teatro.
dia 24
d e b a t e
Dramaturgia com: José Manuel Ortecho Ramirez e Daniela Smith
dia 30
p a l e s t r a
Performance multimídia interativa, videoteatro.
com: Otávio Donasci
Performance com: Priscilla Davanzo
dia 31
p a l e s t r a
O ator criador, o ator rapsodo
com: Berenice Raulino
Performance com: Maurílio Domiciano

Uma Noite na Ópera

Sei que não é bom ficar monotemático, como bem disse Alan uns posts abaixo, mas Irmãos Marx é Irmãos Marx.

Talvez uma das cenas mais conhecidas do trio, a do filme Uma Noite na Ópera (disponível em DVD). Digo trio porque o Zeppo não cumpria bem as funções de galã e muito menos a de comediante. Mas depois de contratados pela MGM o brother mais sem graça foi ter outro rumo na vida. Melhor para Groucho, Harpo, Chico e muito melhor para nós.

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Ciso de c é r!


Uma vez sonhei em montar uma revista. Juntei uns pirados. Tínhamos até nome: Moleque... Triste naufrágio. Mas ficou alguns textos guardados. Um deles é esse poema.
CISO

Ciso filha da puta
Que rasga a carne lá de trás ( sem duplo sentido, por favor)
Que joga no lixo a metáfora bonita
De que crescer é tal e qual
Uma semente germinando.
Lateja desgraçado
Faz eu parar tudo só pra pensar
Em um pedacinho de osso coberto de gengiva
Escondido no fundo da boca
Um pedaço de gengiva que eu nunca tinha reparado
Faz eu achar que crescer é uma merda
E ter certeza de que dói pra caramba
O dente do juízo
E criar juízo dói tanto!
E não serve para muita coisa.
Já nasce para ser arrancado.
Lateja juízo maldito!
Lateja!
Tento escrever um manifesto.
Mas ele não deixa.
Lateja!
Tento escrever um poema.
Mas ele não quer
Lateja!
Tento tomar um analgésico.
Que não resolve nada.
Lateja!
E quando eu durmo no ônibus, babando, acordo, pois a barca faz vibrar o pequeno osso que desponta nesse oceano de carne rosada, feito uma ilha, caco de dente e o monstro acorda levando no nervo direto para minha cabeça a sensação de dor.
Eu não confio em ninguém com 36 dentes
E já estou fazendo quase trinta*.

* Já completei trinta. O ciso continua incomodando pra caramba, não nasceu de todo o que não deixa de ser ilustrativo da minha condição!

Deus é pai!

Realmente o que não falta no You Tube são vídeos dos Marx Brothers. A Thais tem razão... MAs para não termos um blog quase monotemático e no intuito de abranger todos os tipos de humor disponíveis na infoesfera ou não, coloco aqui um vídeo do Allan Sieber. Assiti esse filminho no cinema, antes do Dogma do Kevin Smith. Devo confessar que gostei muito mais do desenho do Sieber.

domingo, 30 de setembro de 2007

Irmãos Marx modernos!

Procurei no Youtube um vídeo dos Marx brothers, mas não achei nada...
Fica um vídeo dos Hermes e Renato de consolo. O grande Boça em atuação.
Esses malucos são geniais.

GROUCHO MARXISMO PARA INICIANTES!


Bob Black é um humorista genial. Daqueles que faz a gente rir, pensar. se assustar e muitas vezes se perguntar, será? Será que ele não está pegando pesado demais por exemplo?
Com humor, ele faz críticas muitas vezes mais profundas do que textos acadêmicos seriam capazes. Críticas às convicções alheias e às próprias. Nas suas palavras "se a revolução não servir para dançar e rir, não será nossa revolução". Um iconoclasta maluco que esteve a frente da "Última Internacional".
A Conrad lançou há algum tempo um apanhado dos seus escritos pela coleção Baderna intitulado Groucho-Marxismo.
Vale a pena a aquisição.
http://www.lojaconrad.com.br/Baderna/Groucho-Marxismo.asp
Logo abaixo um pouco do veneno de Black.

Palavras de poder por Bob Black

ADVOGADOS? BOCAS LIGADAS A SISTEMAS de sustentação de vida.
ARTE? Um substituto cada vez mais inadequado para o sexo.
BANCO DE SANGUE? Existe algum outro tipo?
CASAIS? Monogamia é monotonia
CINISMO? Há muito tempo ultrapassado pelos fatos
CIVILIZAÇÃO? A doença de pele da biosfera.
CRISTÃOS RENASCIDOS? Não deveriam nem ter nascido.
A CRUCIFICAÇÃO? Foi pouco e veio tarde.
A DIREITA? Torta.
DOENÇA? Algo muito perigoso: uma das principais causas da existência de médicos.
ELEIÇÕES? A mongocracia em ação.
A ESQUERDA? Um zero à esquerda.
A FAMÍLIA? Abaixo a bomba familiar!
FÉ? É fatal - vade-retro, Deus!
GOVERNO? Armas não matam, políticos matam.
LIBERAIS? Conservadores com sentimento de culpa.
LUGARES PUNKS? Barzinhos chiques sem luxos.
MARXISMO? O estágio mais elevado do capitalismo.
MASOQUISMO? Igual levar serviço pra casa.
MÍSTICOS? Têm vislumbres incomunicáveis e não conseguem parar de falar neles!
NIILISTAS? Indo para além do bem & do mal, pararam na metade do caminho.
PLENO EMPREGO? UMa ameaça, não uma promessa.
POLÍCIA? Terroristas com as credenciais certas.
POLÍTICA? Como um brejo - tudo que é sujo acaba subindo.
PROFESSORES? Reprovados.
PROPRIEDADE? É furto - e furtar é apropriado.
PUNKS? Hippies com amnésia.
RADIOEVANGELISTAS? Menos seitas orais, mais sexo oral!
O ROCK? Tem um grande futuro por trás.
SERVIÇO MILITAR? CONHEÇA O ABATEDOURO.
SEXO? Um substituto cada vez mais inadequado para masturbação.
TÉDIO? Obrigatório para sofisticados.
TEMPO LIVRE? Trabalho pelo qual o chefe não te paga.
TROTSKISMO? Stalinismo fora do poder.
UTOPIA? Nostalgia do futuro
VEGETARIANOS? Você é o que come.
VIDA APÓS A MORTE? Por que esperar?
VIOLÊNCIA NA ESCOLA? A luta de classes como luta na classe.

Incrível...

A microsoft sabe quem é você [Entre e confira!]
Dá muito medo imaginar que eles podem estar nos espionando...
Sigam as instruções e vejam vocês mesmos

1- Vá ao menu iniciar
2- Programas
3- Acessórios
4- Calculadora
5- Clique no menu calculadora na opção exibir
6- Mude para opção cientifica
7- Agora digite 12237514
8- No canto superior Esquerdo está selecionado Decimal (dec)
9- Clique na opção Hexadecimal (hex) e incrivelmente veja sua indentificação!!!!

sábado, 29 de setembro de 2007

Quem matou Thais?

Poucas horas antes do Brasil inteiro descobrir quem matou Thais e provavelmente no mesmo momento que a nossa Thais escrevia no Blog sobre seu Beatle preferido, eu e o Jaum visitávamos um lugar nessa cidade maluca. Que lugar? Um futuro hepicentro onde serão geradas e apresentadas idéias malucas da Dona Bandalha. Vamos ter que trabalhar bastante pra isso, pra concretizar este lugar. Mas vai ser um pusta passo!
PS: Afinal, quem matou a Thais?
PS: Qual a importância de sabermos nesse Blog qual o Beatle preferido da Thais?
PS: Quem vai limpar aquela sujeira toda pôe o dedo aqui!

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Wah Wah



Já que George Harrison é o assunto do dia.

Ai vai uma das minhas prediletas do All things must pass com uns demônios como Eric Clapton, Jeff Lynne e...Paul Mccartney.

Here comes


Eu gosto de tudo que teve a mão do George Harrison. E tenho lá as minhas razões porque fui praticamente obrigada a escutar Beatles, as carreiras solo de John, Paul e George e os Traveling Wilburys correndo solto na vitrola da casa dos meus pais desde criança. Mesmo sem saber quem eram esses caras direito, afinal eu era um projeto de gente na época, sempre preferi George a Paul, o queridinho da mamãe. Também pudera, qualquer um odiaria Paul se fosse obrigado a ouvir “No more lonely nights” trocentas vezes ao dia entre suspiros de uma mãe beatlemaníaca, ou melhor, paulmaníaca.

A birra com Paul diminuiu bastante mas George ainda se mantém inabalável no posto de beatle nº 1. Escutem "All Things must pass" e alguns álbuns que apareceram na sua fase beatle como "Wonderwall Music" e vocês vão entender por que. Ou se rendam a George e outros monstros como Roy Orbinson, Bob Dylan, Tom Petty e Jeff Lyne no Traveling Wilburys.
Hoje, piruetas de alegria. Scorcese, outro que dispensa apresentações, vai fazer um documentário sobre o George. Depois do cara ter recuperado fôlego cinematográfico com “Os Infiltrados” e do filme sobre Bob Dylan (espero que o Alan empreste a segunda parte – rs) só posso esperar o melhor. Ainda que demore anos.
A notícia:

Scorsese vai dirigir documentário sobre George Harrison

O cineasta Martin Scorsese pretende dirigir um documentário autorizado sobre George Harrison, o ex-Beatle que morreu de câncer do pulmão em 2001, informou o "Daily Variety" na quinta-feira.

As entrevistas e o trabalho inicial de produção vão começar este ano, e o filme levará vários anos para ser concluído, disse o jornal.

"Teria dado grande alegria a George saber que Martin Scorsese se propôs a contar sua história", disse a viúva de Harrison, Olivia, segundo o jornal.

Olivia Harrison será produtora do projeto, ainda sem título, e vai fornecer materiais de arquivo. O "Daily Variety" informou ainda que os membros sobreviventes dos Beatles, Paul McCartney e Ringo Starr, participarão do filme, assim como o selo dos Beatles, a Apple Records.

Scorsese, que recebeu um Oscar este ano pela direção da saga policial "Os Infiltrados", se prepara para lançar em abril de 2008 um documentário sobre os Rolling Stones em concerto, intitulado "Shine a Light". Ele fez um documentário sobre Bob Dylan em 2005, sob o título "No Direction Home", e retratou o concerto de despedida da The Band em "The Last Waltz -- O Último Concerto de Rock", de 1976.

O filme sobre George Harrison cobrirá seus anos com os Fab Four, quando compôs canções memoráveis como "Something" e "Here Comes the Sun", sua carreira solo inconsistente, seus trabalhos de produção de cinema, em projetos como "Monty Python -- A Vida de Brian", e sua adesão entusiasmada ao misticismo oriental."

A música de George Harrison e sua busca por um sentido espiritual é uma história que ainda encontra ecos hoje, e estou interessado em mergulhar mais fundo nela", afirmou Scorsese, segundo o Daily Variety.

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Daft Punk - Around the World



Um cRássico do videoclip.

E como diria o Jaum, é de dança!

Se você quiser morar na minha palhoça...

Ao que tudo indica, Dona Bandalha arranjará um novo cafofo para suas práticas terroristas. E não se trata de um novo endereço virtual.

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Novembro Bandalha


A gente tá começando a encarar o trabalho duro...


Agora está confirmado. Dona Bandalha no Centro Cultural da Juventude (CCJ) durante todo o mês de novembro!

Dias 09 e 10/nov
20h
Apresentação do espetáculo Brinquedo de Montar Brinquedo.
De graça, gurizada!

E, não contente, a gente resolveu aprontar um pouco mais...

Oficina “Construindo o corpo cômico"

A oficina Composição do Corpo Cômico tem o objetivo de sensibilizar o olhar do participante para alguns aspectos cômicos, como o grotesco e a caricatura, tendo como perspectiva o corpo. Procedimentos: Jogos de percepção corporal, Jogos teatrais e improvisações com roteiros cômicos.

Dias: 01 e 08/nov
Horário: 15h
Duração: 8 horas (divididos em dois dias)
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 30
Coordenação: Marcelo Correia

Workshop “Uma viagem pela história do humor”

A partir de textos, imagens e material audiovisual os participantes dessa oficina conhecerão alguns momentos da história do humor. Uma viagem por vários momentos da história do humor como comédias da Antiguidade Clássica, Commedia Dell’Arte, o circo. O riso no cinema, na televisão até chegar ao humor na Internet.

Dias: 17 e 24/nov
Horário: 15h
Duração: 8 horas (divididos em dois dias)
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 50
Coordenação de Thais Hércules e Alan Livan

Workshop “Olhares sobre a cidade”

A partir de exemplos de intervenções artísticas e happenings realizados por artistas e coletivos brasileiros a partir dos anos 70 até a atualidade, este workshop dará uma breve noção dos conceitos de happening, intervenção e performance modalidades presentes na arte contemporânea e pretende que os inscritos realizem, ao final, uma proposta que tenha como mote o espaço do CCJ ou do bairro, como maneira de buscar um diálogo ou atribuir novos significados ao local escolhido.

Dias: 15 e 22/nov
Horário: 15h
Duração: 6 boras (divididos em dois dias de oficina)
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 30
Coordenação: Thaís Hércules

Oficina de musicalização.- O humor na música e a música no humor.

Contato com obras de músicos que se utilizam de humor e de humoristas que se utilizam da música como por exemplo Noel Rosa, Baiano e os Novos Caetanos, Monty Python, Língua de Trapo e muitos outros . Fundamentos da música a partir de uma abordagem lúdica e de sons do cotidiano, sempre com vivências práticas

Duração: 6 horas
Horário: 17h
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 30
Coordenação: João Paulo Poltronieri

Oficina de improvisação para um teatro Bandalha.

Jogos e improvisações utilizados na criação das cenas do espetáculo Brinquedo de montar brinquedo.

Dias: 04 e 11/nov
Horário: 14h
Duração: 6 horas
Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Número de vagas: 30
Coordenação Thaís Hércules e Alan Livan.

Cinema & humor.

Focados na questão do humor, todos os filmes serão seguidos de debates com integrantes do grupo e convidada Laura Carvalho Hércules (estudante de audiovisual – USP).

Dia 18/nov
Eternos desconhecidos
(I soliti ignoti, Itália, 1958, P&B, 100min - suporte em DVD)
Direção: Mário Monicelli
Elenco: Totò, Vittorio Gassman, Marcello Mastroianni, Renato SalvatoriBando de trambiqueiros quer executar um assalto espetacular, mas as coisas não acontecem como planejadas.Do mesmo diretor de O incrível exército de Brancaleone

Dia 25/nov
Feios, Sujos e Malvados
(Brutti, Sporchi e Cattivi, 1976, colorido,115min-suporte em DVD)
direção: Ettore Scola
elenco: Nino Manfredi, Francesco Anniballi, Giselda Castrini, Ettore Garofolo.
Giacinto (Nino Manfredi em grande atuação) mora com a esposa, os dez filhos e vários parentes, num barraco de uma favela de Roma. Todos querem roubar o dinheiro que ele ganhou do seguro, por ter perdido um olho quando trabalhava. A situação fica ainda pior quando ele decide levar uma amante para dentro de casa.

Público-alvo: jovens de 15 a 29 anos
Horário: 17h
Duração: 3 horas (exibição do filme e debate)
Coordenação: Dona Bandalha e Laura Carvalho Hércules

Ainda não estão abertas inscrições. Assim que saírem a gente avisa. Foi só pra dar um gostinho na boca...

Pra quem não conhece, o CCJ fica na Av. Deputado Emílio Carlos, 3641 - Vila Nova Cachoeirinha
http://centrodajuventude.prefeitura.sp.gov.br/default2.asp?url=inicio.asp

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Usando o gafanhoto

Estamos adentrando devagar e sempre o mundo da internet.
Já temos orkut,MySpace este blog, fotoblog. Estamos experimentando as ferramentas do gafanhoto. Lembram da história do mestre ensinando pro gafanhoto? "Gafanhoto, gafanhoto, se você for coçar o saco e ver que tem duas bolas a mais, cuidado. Não é que você é um super homem não! Alguém é que está te enrabando"
Bom, o gafanhoto aqui é um site que entre outras coisas gera um tocador de música www.gafanhoto.com.br . Estamos testando eles aos pouquinhos. Vejam o que acham.



sábado, 22 de setembro de 2007

Ernesto Varela, o repórter

O jornalista mais sério de todos os tempos de TV brasileira. E tem muita gente que duvida disso.

Mas, enfim, esse não é um país sério mesmo.

Para as crianças, um parênteses. Ernesto Varela é um personagem criado por Marcelo Tas lá pela década de 80. Ou seja, no momento em que se via o nascimento de apresentadoras louras e precursoras do É o Tchan, o fim de uma ditadura que Figueiredo fez questão de encerrar com um gesto nobre (a tal da banana indigesta) e na década que fez a gente perder Henfil, surge Ernesto Varela e seu câmera Valdeci (que foi muitas vezes feito por Fernando Meirelles) munidos de cara de pau e um terninho sem vergonha.

Uma de suas vítimas foi Paulo Maluf. Que se viu na situação embaraçosa de responder se era mesmo corrupto, ladrão. Pobre homem, vítima da sociedade...

Vocês ficam com um trecho do DVD que saiu faz alguns anos. Recomendo que assistam o DVD todo se encontrarem em alguma locadora decente. Tem cenas antológicas na Serra Pelada, na Praça da Sé em meio as Diretas Já e sem falar na perseguição a Maluf.

Este vídeo mistura alguns momentos de Varela. Traz uma bela briga com Nabi Abi Chedid. Um homem de bem e de bens. E outras figuras que conhecemos bem.

Nós vamos invadir a sua praia.


Em breve, Dona Bandalha em mais um Centro Cultural. O da Juventude dessa vez (CCJ).


Esta semana provavelmente sairá a programação completa. Quem puder, venha participar das nossas oficinas.


E fica a convocação para assisitir Brinquedo de Montar Brinquedo no CCSP e CCJ.

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Diga "X"

Ivan, o nosso guitarrista que tem o demônio no corpo, por Tainá Passos Chiamarelli

No nosso fotolog http://donabandalha.nafoto.net uma pequena amostra do que foi o Dona Bandalha no Canta Encanto de Jundiaí.

E sem o Alan perneta.

One more cup of coffee before I go


Não sei dizer quando me ocorreu a idéia de escrever minhas próprias canções. Eu não tinha produzido nada para definir o modo como me sentia a respeito do mundo que se comparasse ou fosse a metada das letras de música folk que eu vinha cantando. Acho que isso acontece em etapas. Você não acorda um dia e simplesmente decide que precisa escrever canções, especialmente se você é um cantor que tem muitas delas e está aprendendo mais todos os dias. É preciso que apareçam oportunidades para que você converta algo - algo que existe em algo que ainda não existe. Esse pode ser o começo. Às vezes você quer apenas fazer as coisas do seu jeito, quer ver por si mesmo o que está por trás da cortina de névoa. Não é como se você visse canções se aproximando e as convidasse para entrar. Não é fácil assim. Você quer apenas escrever canções que sejam maiores que a vida. Quer dizer algo sobre coisas estranhas que aconteceram com você. Você tem que saber e compreender algo e depois passar para o vernáculo. A precisão arrepiante que os antigos usavam para chegar às suas canções não é pouca coisa. Às vezes você pode escutar uma canção e sua mente dar um salto pensando nas coisas. Jamais olhei para canções como "boas" ou "ruins", apenas tipos diferentes de boas.
Bob Dylan - Crônicas - Volume 1