terça-feira, 4 de setembro de 2007

Dona Bandalha em busca do elo perdido ou quem foi o fdp que começou essa bandalheira toda


Não dá pra falar de Aracy e não pensar em Noel.

Quer dizer, pra quem tem o mínimo de cultura musical, claro. Senão ela vai ser sempre a velha dos "10 pau" (que era divertido também). Mas ela quando jovem, magrinha, nos idos da década de 30, gravou os sambas imortais de Noel e foi uma das intérpretes preferidas do compositor.

Pois é.

Semana que vem faz 70 anos da morte de Noel. E dai? Não, não se trata daquelas comemorações dos mortos que jornalistas adoram colocar nas suas pautas. Bom, na verdade, pode ser sim. O mais importante é que, a partir da semana que vem, a obra de Noel Rosa vira domínio público. Assim como já são as obras de Ernesto Nazareth, Chiquinha Gonzaga e Sinhô.

Ai vai um raro registro do mestre com o Bando de Tangarás. A música é ótima. Claro que o Dona Bandalha tem em mente de, num futuro próximo, homenagear um dos nossos antepassados. Porque o Noel foi um bandalha de primeira.

2 comentários:

Alan Livan Bandalheira disse...

Que engraçado. Eles parecem bonecos! O Noel com esse chapéu mais que todos!
Háhá

Thaís disse...

Pior que parece mesmo...